Zambiapunga deverá ser declarado Patrimônio Imaterial

 

Até o final do primeiro semestre de 2017 o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (IPAC) finaliza o dossiê sobre a manifestação ‘Zambiapunga’, que ocorre no início de novembro no Baixo Sul baiano, em municípios como Cairu, Nilo Peçanha, Taperoá e Valença. Com isso, o IPAC sinaliza para tornar a manifestação, Patrimônio Imaterial. O título coloca o Zambiapunga em uma vitrine extraordinária, haja vista que toda a imprensa nacional e de alguns países, costumam dar destaque a todas as manifestações culturais que são transformadas em patrimônio. Foi assim com o Carnaval de Maragogipe, tombado pelo IPAC em 2009.

 

O dossiê começou a ser elaborado no segundo semestre deste ano e fundamentará o pedido de registro especial da manifestação como Patrimônio Imaterial da Bahia. As pesquisas contaram com cooperação técnica do Instituto de Desenvolvimento Sustentável do Baixo Sul (Ides).

 

“A tradição é marcada pelo uso de adereços alegóricos: trajes de roupas coloridas e papéis de seda”, explica o diretor de Preservação do IPAC, Roberto Pellegrino.

Nos períodos de festejo, um grupo de homens utilizam búzios gigantes e enxadas tocadas como instrumentos de percussão. “Geralmente eles se espalhavam pelas ruas durante a madrugada, acordando a população em ritmo de celebração”, conta Pellegrino.

O primeiro passo do IPAC foi realizar pesquisa, com visitas de campo, entrevistas, coleta de documentos, fotos e jornais antigos, dentre outros itens. “Agora elaboramos o dossiê. Uma parte já está pronta e a outra finalizamos no primeiro semestre de 2017”, afirma a antropóloga do IPAC, Adriana Cerqueira, responsável pela redação do documento. Depois, o dossiê segue para a Secretaria de Cultura e o Conselho de Cultura (CEC, www.conselhodecultura.ba.gov.br). Após aprovação, é apresentado ao governador, que faz análise final e assina decreto tornando a manifestação protegida pelo Estado da Bahia.

 

COMUNIDADES – O 'Zambiapunga' está presente nos municípios de Nilo Peçanha, Valença, Taperoá, Cairú e nas localidades de Galeão, Cajaíba e Boipeba. Para conhecer de perto, equipe multidisciplinar do órgão esteve nas comunidades de Cajaíba, Atracadouro e Bom Jardim, em Valença. Técnicos do Ides também estavam presentes, coordenados por Liliana Leite. Do IPAC participaram o diretor de Preservação, Roberto Pellegrino, a gerente de Patrimônio Imaterial, Nívea Alves, e a antropóloga Adriana Cerqueira. “Existem também os caretas inseridos no contexto do Zambiapunga. A proteção será para o conjunto dessas manifestações”, explica Adriana.

Tags:

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque
Please reload

Procurar por tags
Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2016 - Criado pela Agência Andrade Comunicação e Marketing 

Contate-nos: 75 9 91211904 | 75 9 98317900 | vanessa.cultura.bsul@gmail.com