BANNER WEB - 728x90px - ESTADO SOLIDARIO.png

Policlínica Regional e outros investimentos têm impulsionado a saúde no Baixo Sul da Bahia



A atenção à saúde de toda a população do Baixo Sul foi reforçada com a inauguração da Policlínica Regional de Saúde, construída em Valença, que oferece todos os exames de média e alta complexidade solicitados pelo SUS, atendendo pacientes de municípios da região. Já foram entregues também nove ambulâncias à região. Recentemente, o Estado investiu ainda na abertura de 20 leitos de UTI na Santa Casa de Misericórdia de Valença.

“A policlínica é uma oportunidade para a gente”, afirma a dona de casa Joana Angélica da Silva. “É a segunda vez que venho aqui. Fiz a mamografia e agora vou fazer uma endoscopia. É uma benção termos essa clínica perto da nossa cidade de Ituberá. Temos também os micro-ônibus que fazem o transporte para cá e de volta para casa sem ter que pagar passagem. Só tenho que agradecer mesmo. Eu falo por mim e por todo o meu povo”.


A Policlínica Regional do Baixo Sul atende os pacientes agendados pelas prefeituras dos 13 municípios consorciados: Cairu, Camamu, Gandu, Igrapiúna, Itaparica, Ituberá, Nilo Peçanha, Nova Ibiá, Piraí do Norte, Taperoá, Teolândia, Valença e Wenceslau Guimarães. De acordo com a secretária estadual da Saúde em exercício, Tereza Paim, o investimento de R$ 20 milhões assegura a média e a alta complexidade do atendimento pré-hospitalar na região. “Desde a sua inauguração, em junho de 2018, essa policlínica já realizou 167.541 procedimentos, entre exames e consultas, e isso é de grande impacto na saúde das pessoas”, contabiliza.

Paim ressalta que, antes de comparecer à policlínica, o paciente precisa apenas ir a uma unidade básica de saúde para receber o primeiro atendimento. “Havendo necessidade, ele será encaminhado para essa grande estrutura, onde terá acesso a todos os exames solicitados pelo SUS, inclusive os de alta tecnologia”. Antes do equipamento, os pacientes precisavam fazer esses exames em outras cidades, em municípios maiores ou na capital.


“Hoje, esse paciente consegue ter resolutividade no diagnóstico com uma consulta especializada, com a realização dos exames e com a prevenção”, explica a secretária. “Temos em todas as policlínicas, por exemplo, a sala do pé diabético, onde o paciente aprende a cuidar da sua saúde, faz exames de dopler vascular e isso é uma grande prevenção que reduz muito o número de amputações. Os hipertensos, cardiopatas, também são diagnosticados, acolhidos, referenciados e fazem todos os exames da área de cardiologia”.




Repórter: Raul Rodrigues - SECOM BA

Fotos: Secom BA / Vanessa Andrade

Siga!
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social
  • Instagram ícone social