Livro Acamara de Aramaca reapresenta a Costa do Dendê em olhar inédito


Lançamento acontece na sede da OAB Valença e terá distribuição gratuita

Acamara de Aramaca é um projeto que traz, em livro, fotos e audiovisual, um resgate das tradições da Costa do Dendê por meio do olhar do fotógrafo Aramaca. Esse personagem da vida real empresta não só suas lentes e sua sensibilidade para os cliques, mas também suas lembranças pessoais, que são confrontadas com as transformações pelas quais a região passou ao longo dos anos. O projeto será lançado na próxima quarta-feira (11/03), às 19h, na sede da OAB Valença (bairro Novo Horizonte). Na terça-feira (10), às 14h, o livro também ganha lançamento em Nilo Peçanha, na Câmara Municipal.


Aramaca é o alter ego de Francisco Marques Magalhães Neto, advogado baiano que há anos figura na lista dos mais respeitados do país conforme levantamento da revista Análise Advocacia 500. Natural de Salvador, onde hoje reside, ele passou a maior parte de sua infância e adolescência em Valença e arredores. A fotografia não era mais que um passatempo amador até que, perto do fim da década de 1990, Magalhães Neto começou a experimentar com a fotografia digital e a desenvolver uma linguagem fotográfica própria. As imagens que capturou já foram expostas em galerias e adornam até pontos de referência de Salvador.

Fruto de imersões que somaram quase três meses de jornadas por toda a microrregião da Costa do Dendê, Acamara de Aramaca é uma realização da produtora Barro de Chão, que tem projetos semelhantes ligados à capoeira Angola, à Restinga do Litoral Norte da Bahia e a outros recortes da cultura e biodiversidade brasileiras. Além de extensa pesquisa bibliográfica, foram feitas mais de 90 entrevistas com moradores locais, acadêmicos, empresários, pescadores, marisqueiras, agricultores e demais atores da “vida no Dendê”.


Uma experiência antropológica – Adentrar na Costa do Dendê é desvendar particularidades que vão além do fruto que denomina este território de identidade da Bahia. O pluralismo religioso é evidenciado por marcos históricos das religiões católica e de matriz africana. O Convento e Igreja de Santo Antônio, fundado por jesuítas em 1654, em Cairu, ostenta o título de marco inaugural do barroco na arquitetura religiosa luso-brasileira. Já a comunidade Caxuté, no distrito de Cajaíba, assume a missão de resgate da ancestralidade do candomblé Congo-Angola e abriga a primeira Escola de Religião e Cultura Africana do Sul da Bahia.

Em meio aos emblemas da religiosidade local, as cores e sabores da terra também assumem o protagonismo como insumos criativos do projeto. O manejo artesanal dos dendezais é um ofício ainda mantido por alguns, como a fazendeira Roseane de Jesus, 34 anos, personagem do livro. Para ela, o processo herdado e preservado em sua família é o que garante o melhor resultado na extração de um azeite de qualidade. “A gente corta o dendê, limpa ele todo, tira as bagaceiras pra ficar tudo limpinho e bota no fogo hoje pra fazer amanhã. Normalmente, leva o dia todo cozinhando. No outro dia de manhã, a gente pega pra pilar. Pila, lava e bota pra cozinhar no caldeirão que está no fogo. Vai separando o óleo para um lado e a borra para o outro. Com a borra, a gente faz comida de galinha e também sabão”, narrou.

Serviço

O que: Lançamento do livro Acamara de Aramaca; Quando e onde: Quarta-feira (11/03/2020), às 19 horas, na sede da OAB Valença (bairro Novo Horizonte). Site oficial: www.aramaca.com.br; Instagram: www.instagram.com/aramacaphoto; Entrada gratuita!

Fotos: Aramaca - Francisco Marques Magalhães Neto.

Fontes: V1 Comunicação - Vanessa Andrade (Jornalista DRT/BA 2197); Clube Press - Assessoria de Comunicação - Marcos Paulo Sales (Jornalista DRT/BA 2246).

Posts Em Destaque
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2016 - Criado pela Agência Andrade Comunicação e Marketing 

Contate-nos: 75 9 91211904 | 75 9 98317900 | vanessa.cultura.bsul@gmail.com